Megavírus modificaram até 10% do genoma comum das algas

Estudo foi feito nos EUA

Com a descoberta de grandes vírus que podem ser vistos em um microscópio padrão, outro estudo mostra que esses enormes parasitas injetam uma variedade de seus genes no genoma do hospedeiro, como algas comuns de acordo com um novo estudo. Duas algas ainda tinham os genomas completos de dois vírus gigantes em seu DNA, em um caso, eles representaram 10% da contagem total de genes de algas.

 

Em 2003, os cientistas descobriram algo enorme, literalmente, no mundo dos vírus: vírus tão grandes que podiam ser vistos com um microscópio padrão. Esses parasitas maciços eram considerados raros na época, mas desde então se mostraram mais comuns do que o esperado. Agora, os pesquisadores encontraram genomas inteiros de vírus gigantes embutidos nos genomas de várias algas comuns. A descoberta sugere que este estranho grupo viral é ainda mais prolífico e potencialmente influente do que os cientistas pensavam.

“A quantidade de DNA e a diversidade de genes que esses vírus entregam a seus hospedeiros é impressionante”, diz Cedric Feschotte, biólogo genômico da Universidade Cornell que não esteve envolvido no trabalho. Essa “enorme injeção de material genético” poderia influenciar tudo, desde o metabolismo do hospedeiro até sua própria sobrevivência.

O DNA viral presente nas algas pode até incluir genes sequestrados de outras algas. Assim, os vírus gigantes podem ser uma forma de transferir genes entre espécies, diz Andrew Roger, biólogo evolucionista da Universidade Dalhousie. Todo esse novo DNA pode permitir que o genoma do hospedeiro assuma novas funções que aumentam a capacidade das algas de sobreviver e podem ter moldado a diversidade e distribuição do grupo, diz ele.

Fonte: AGROLINK –Leonardo Gottems

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
O URL curto deste artigo é: https://ruralbook.com.br/rbY1e8n

Você pode gostar...