Preços de fertilizantes podem encarecer alimentos, aponta relatório

Junto com o aumento dos preços, também há preocupações com a disponibilidade de fertilizantes, o que provavelmente afetará o plantio.

Os preços globais de fertilizantes subiram para máximas de vários anos nos últimos meses após o aumento nos preços das principais matérias-primas, gás natural e carvão, e certas restrições à exportação impostas pelos países fornecedores.

Em todo o mundo, o gás natural é usado como matéria-prima e combustível para a produção de fertilizantes nitrogenados. Em alguns países, como a China, o carvão é gaseificado em amônia e usado na fabricação de fertilizantes.

Os fertilizantes nitrogenados são os fertilizantes mais utilizados no mundo. Amônia, fósforo e potássio são os outros componentes importantes do fertilizante.

De acordo com a empresa europeia de nutrientes agrícolas Yara Fertilizantes, em várias de suas etapas de transformação, o gás natural, essencialmente metano, é atualizado pela combinação com nitrogênio do ar para formar fertilizante de nitrogênio.

“Enquanto 80% do gás é usado como matéria-prima para fertilizantes, 20% é usado para aquecimento do processo e produção de eletricidade”, segundo Yara.

Sem surpresa, quando os preços do gás natural subiram, os preços dos fertilizantes nitrogenados também dispararam. De fato, os preços do nitrogênio – como amônia anidra, ureia ou nitrogênio líquido, fósforo como fosfato diamônio, ou DAP, e potássio como potássio – aumentaram significativamente no ano passado.

A proibição da China desde setembro de 2021 de exportar fertilizantes fosfatados para garantir a oferta doméstica sustentou os preços dos fertilizantes. A Rússia também proibiu as exportações de fertilizantes logo depois.

China, Índia, Estados Unidos e Brasil são os principais países consumidores de fertilizantes do mundo e também são os principais produtores de grandes produtos agrícolas.

Proibição da China e fertilizantes na Índia

A China, principal fornecedora de fertilizantes do mundo, proibiu as exportações de fertilizantes e instou as empresas de carvão e gás natural a cumprirem contratos assinados com produtores nacionais de fertilizantes.

Os efeitos dessa proibição são vistos no país vizinho, a Índia.

A Índia importa em média 60% dos 10 milhões a 12 milhões de toneladas de seu consumo anual de DAP. De acordo com um relatório da Reuters no início de dezembro, 40% disso vem da China.

Como a India entrou em sua temporada de inverno ou safra de Rabi em novembro, a demanda por fertilizantes no país provavelmente atingirá o pico. O relatório da Reuters mencionou que casos já surgiram de agricultores indianos que enfrentam atrasos ou interrupções no fornecimento de fertilizantes.

A Índia produz todo o seu trigo na estação de semeadura de inverno, juntamente com algumas oleaginosas, leguminosas e milho.

A Índia também é fabricante de fertilizantes e o setor de fertilizantes do país contou com importações de GNL para entre 60% e 73% de suas matérias-primas de gás natural de janeiro a outubro de 2021.

Os dados da S&P Global Platts Analytics mostraram que o fornecimento contratado de GNL de 24,3 mt/ano cobre pouco mais da metade da capacidade de regaseificação da Índia a cada ano, sugerindo que o país tem uma exposição relativamente grande às importações spot de GNL.

Os preços spot de GNL subiram além da faixa de US$ 11 a US$ 12/MMBtu considerada acessível para os usuários finais, disseram importadores de GNL da India à S&P Global Platts.

Os importadores indianos poderiam ter aproveitado o prazo contratado de GNL para fornecimento ao setor de fertilizantes. Mas esses contratos são normalmente comparados com o petróleo Brent, cujo preço quase dobrou no ano. O benchmark Dated Brent avaliado pela Platts está acima de US$ 70/b desde outubro, subindo da faixa de US$ 30 a US$ 40 vista do início de outubro ao início de dezembro de 2020.

Os preços spot de GNL JKM avaliados pela Platts e o TTF Europe subiram acima de US$ 56/MMBtu e Eur 100/MWh, respectivamente, no início de outubro. Esses preços caíram desde o pico de outubro e estavam sendo negociados em torno de US$ 33/MMBtu esta semana.

Cenário global de fertilizantes

A escassez de fertilizantes e os altos preços estão sendo sentidos em todo o mundo. Devido aos preços mais altos do gás natural na Europa, várias empresas de fertilizantes foram fechadas, levando a preocupações com a oferta.

A Yara Fertilizantes disse que os preços recordes do gás natural na Europa estão afetando as margens de produção de amônia e, como resultado, a empresa reduziu a produção em várias de suas plantas.

Nos EUA, os custos de insumos para os agricultores subiram com o aumento dos preços dos fertilizantes. Os EUA são o maior produtor mundial de milho e o milho é uma cultura altamente intensiva em fertilizantes.

Os produtores de milho dos EUA falaram sobre mudar para diferentes culturas, como soja, ou reduzir o uso de fertilizantes na próxima temporada de plantio, se os preços continuarem firmes.

A alta nos preços dos fertilizantes também deve impactar a maior safra de milho do Brasil, que será plantada a partir deste mês.

Uma data final para os preços mais altos dos fertilizantes é desconhecida, disseram economistas da American Farm Bureau Federation durante sua convenção anual em 8 de janeiro.

Um relatório divulgado pela Texas A&M University em janeiro ecoou a visão: “Independentemente dos fatores que impulsionam o aumento dos custos, a realidade é que os produtores estão enfrentando a perspectiva de um grande aumento nos custos na temporada de plantio da primavera de 2022.”

Preço dos alimentos

Isso ocorreu em um momento em que a inflação de alimentos globalmente já está em máximas de vários anos. Os altos preços dos fertilizantes podem eventualmente refletir no custo dos alimentos produzidos.

“Os altos preços do gás natural, se mantidos até o início de 2022, se traduzirão em custos mais altos de alimentos e reforçarão uma tendência inflacionária que já está sendo impulsionada por interrupções na cadeia de suprimentos, escassez de mão de obra e aumento da demanda do setor de biocombustíveis”, disse uma atualização da IHS Markit em Outubro.

Em 2021, o Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação teve uma média de 125,7 pontos, um aumento de 281,1% no ano e o maior dos últimos 10 anos.

Junto com o aumento dos preços, também há preocupações com a disponibilidade de fertilizantes, o que provavelmente afetará o plantio. Se os agricultores reduzirem o uso de fertilizantes devido à escassez de oferta, isso poderá, em última análise, pressionar o rendimento e a produção.

A história sugere com firmeza que os agricultores não estão preparados para comprar volumes “normais” nos níveis atuais de preços de fertilizantes, disse a atualização do IHS. “A última vez que os preços do potássio estiveram nos níveis atuais por um período sustentado [2009] a demanda anual global caiu quase pela metade”, acrescentou.

Se os preços do gás natural forem mantidos nos níveis atuais ou subirem, os preços agrícolas e especialmente o milho precisarão permanecer altos para manter os hectares necessários e, novamente, isso alimentará os preços mais altos dos alimentos, disse o relatório.

 

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
O URL curto deste artigo é: https://ruralbook.com.br/rbLNZWy

Mais Agronotícias