SENAR-SP dá 4 dicas para você fazer ordenha corretamente

Conhecer boas práticas na ordenha garante o bem-estar animal e ajuda manter boa qualidade do leite.

SENAR-SP dá 4 dicas para você fazer ordenha corretamente
Na pecuária leiteira, é essencial que as vacas estejam em boas condições de saúde para que você obtenha um leite saudável e de boa qualidade. Para isso, o ordenhador deve prestar atenção sobre os sinais apresentados pelas vacas, como olhos fundos, pelos arrepiados, diminuição na ingestão de alimentos, parada da ruminação, queda na produção de leite e alterações na urina ou nas fezes, que podem ser indicativos de problemas de saúde.

Antes de tudo, é necessário lembrar que existem dois tipos de ordenha: manual e mecanizada. A técnica manual é antiga e ainda muito comum, especialmente em rebanhos pequenos, pois o investimento em equipamentos é baixo, mas demanda mais esforço do ordenhador. Já a mecanizada faz a retirada de leite mais rápido e com menor risco de contaminação, quando bem realizada. Ela deve acontecer na sala de ordenha e exige maior investimento.

Através do Programa Pró-Leite, o SENAR-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de São Paulo) vem capacitando os produtores rurais paulistas com boas práticas na extração e exploração dos derivados do leite.

Abaixo, listamos algumas dicas para você fazer ordenha corretamente:

Rotina da ordenha

As vacas leiteiras são conhecidas como animais de rotina. Por isso, elas se sentem mais confortáveis com a definição de horários para alimentação, descanso e ordenha. Sendo assim, é indicado que tanto a alimentação quanto a ordenha seja realizada pela mesma pessoa sempre nos mesmos horários.

Preparo do ordenhador

Cabe ao ordenhador garantir que a extração seja bem conduzida. Para tanto, entre suas responsabilidades, estão o cumprimento dos horários de ordenha, preparação das instalações, acompanhamento da saúde das vacas, realização da ordenha e acompanhamento da qualidade do leite.

Você deve conhecer os procedimentos para a manutenção adequada das instalações e dos equipamentos, além de ter meios para garantir boas condições de saúde para si mesmo e para os animais.

Entre as competências pessoais, o ordenhador deve ter paciência, habilidade e sensibilidade no manejo das vacas. Deve ainda estar fisicamente apto para o desenvolvimento do trabalho.

Instalações necessárias

O local da ordenha idealmente precisa ser projetado de maneira que as vacas fiquem bem acomodadas e tranquilas, com segurança para o ordenhador.

Em propriedades com animais de raças que sofrem maior estresse pelo calor, é altamente recomendada a instalação de sistemas de resfriamento (ventiladores e nebulizadores) nas salas de espera e de ordenha.

Linha de ordenha

As vacas devem ser ordenhas em ordem, a chamada de linha de ordenha. Esta é geralmente definida com base no diagnóstico de mastite (inflamação da mama comum durante a amamentação), acontecendo nesta sequência:

  • Vacas primíparas (de primeira cria), sem mastite
  • Vacas pluríparas que nunca tiveram mastite
  • Vacas que já tiveram mastite, mas que foram curadas
  • Vacas com mastite subclínica
  • Vacas com mastite clínica

Este sistema é pensado para evitar a transmissão da mastite contagiosa no momento da ordenha. Além disso, é importante respeitar a individualidade das vacas, não misturando na mesma bateria animais que não são companheiros.

Por: Nação agro.

Foi útil a notícia? Seja o primeiro a comentar.
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
O URL curto deste artigo é: https://wp.me/p49eYW-6Dh

Você pode gostar...