Categorias
Logistica

Falta de caminhão e lotação em armazéns preocupam produtor de Goiás

Produtores relatam que os armazéns da região estão enchendo mais rápido do que em anos anteriores e que há dificuldade para escoar a soja

POR ESTADÃO CONTEÚDO

estrada_transporte_caminhao (Foto: Acervo/Ed. Globo)
Segundo associação de revendedores, embarcar a soja tem sido um desafio em Goiás  (Foto: Acervo/Ed. Globo)

falta de caminhões no leste goiano preocupa o setor produtivo local. Produtores e revendas relataram à Equipe 6 do Rally da Safra, que o Broadcast Agro acompanha, que os armazéns da região estão enchendo mais rápido do que em anos anteriores e que há dificuldade de escoar o produto rumo à exportação ou para as fábricas da região. O atraso na colheita principalmente no Paraná postergou a ida de caminhões à região e, por sua vez, o leste goiano está colhendo uma safra maior, com um volume menor comercializado antecipadamente.

Embarcar a soja tem sido um desafio, segundo o presidente da Associação dos Revendedores de Insumos Agrícolas da região de Cristalina (Ariarc) e gerente geral da distribuidora, originadora e armazém Solar Agronegócios, Jorge de Oliveira Filho. “Há uma falta de caminhão na praça de Cristalina. A gente tem conversado com tradings que estão localizadas no Triângulo Mineiro e atuam em Goiás, Minas e Distrito Federal e há uma reclamação geral de que não tem caminhão. Esse tem sido nosso grande problema hoje no escoamento da safra”, assinalou. “Estamos com 50% de área colhida, com produtividade muito boa, e com esse gargalo grande para administrar principalmente nos próximos 20 dias, que é quando a safra vai se encerrar, e não queremos ter problema de ter de parar os recebimentos dos armazéns.”

Ele relatou que os grandes armazéns do município estão com 7 a 10 dias de recebimento sem retirada, ou seja, se continuarem recebendo no mesmo ritmo e não embarcarem mais nada, podem lotar nesse período. A Solar tem 128 mil toneladas de capacidade estática em Cristalina. Segundo ele, esse problema está ocorrendo bem mais cedo neste ano. “É comum a gente chegar nos 20% finais de colheita e perceber que está enchendo o armazém, que tem que sair produto para entrar. Mas agora isso está acontecendo de forma mais rápida, com 50% da área a ser colhida.”Ele ressalta que a região tem boas possibilidades de escoamento, já que a soja pode ser destinada à exportação, por meio dos terminais em Minas Gerais, ou para esmagamento em duas fábricas próximas. “Nossa logística é favorável, mas está sofrendo com a falta de oferta de caminhão.”

Representantes do setor produtivo em Catalão tinham a mesma reclamação. “Falta caminhão e armazém. Com 10 dias de chuva, você entrega soja úmida, os armazéns não dão conta de secar tudo. Tirando os investimentos privados do produtor, tradings não estão investindo em aumento do recebimento na região de Catalão, e a produção vem aumentando”, apontou o produtor e consultor Wilson Netto Tartuci, de Catalão. “A sorte é que na região há grandes produtores com armazenagem própria. Mas os produtores normais que entregam nas tradings estão tendo dificuldades. O caminhão vai descarregar e fica dois dias na fila.”

Tartuci relatou que outra alternativa para desafogar a armazenagem é o silo-bolsa. Alguns equipamentos do tipo foram vistos pelo Broadcast Agro na região. Outro problema constatado foi a falta de máquinas para locação. “Esse atraso no plantio e desenvolvimento da safra no Paraná teve reflexo na nossa colheita, porque muita gente no Paraná sai de lá e vem colher aqui, e neste ano só vieram 50%”, apontou o produtor. “Tem gente que comprou maquinário de última hora.”

*A jornalista viaja a convite da Agroconsult

Fonte: Globo Rural

Categorias
Dicas Pet

Vacinorte, distribuindo parceria e honestidade.

pet1O Brasil registra o segundo maior faturamento do mercado de animais domésticos e serviços destinados aos bichos de estimação, atrás somente dos Estados Unidos.

No ano passado, o setor faturou R$ 14,2 bilhões, crescimento de 16,4% na comparação com o ano anterior, segundo a Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação). Desse total, 68,5% (R$ 9,72 bilhões) é representado pelo segmento de alimentação para animais.

Para este ano, a previsão é de que esse mercado cresça entre 8% e 15%.

Vacinorte

Constituída em Abril de 2010, a Vacinorte Distribuidora de Produtos Veterinários e Agropecuários é uma empresa familiar, do ramo de medicamentos veterinários, produtos e assessórios em geral, direcionada para o atendimento às clínicas veterinárias, pet shops e casas agropecuárias.

Tem como objetivo oferecer os melhores produtos do mercado, acompanhados de uma equipe de vendas preparada e um suporte técnico especializado, com credibilidade, transparência e a garantia de um serviço de qualidade.

logo-vacinorteCom o desejo de construir uma história de parceria e honestidade, a empresa trabalha para ser reconhecida como uma das principais distribuidora nos Estados do Pará e Amapá, referenciada na satisfação dos clientes e na qualidade dos produtos comercializados.

Hoje a Vacinorte distribui os principais laboratórios e empresas do ramo, como a Homeo Pet, Bayer, Bravet, Lema-injex Biologic, Avert, Real H, K dog, Duki e outras.

A empresa fica localizada na Rua Itabira, 13-B, Bairro do Maguari, Ananindeua – Pará. CEP: 67030-390.

Você que tem uma empresa que já trabalha no ramo e quer saber como funciona e fazer seus pedidos, acesse o website www.vacinorte.com.br, ligue pedindo uma visita (91) 3072-2174 ou envie um email para vacinorte@vacinorte.com.br

Todos terão o maior prazer em atende-los.