Categorias
Agronotícias

Carreiras na agropecuária atraem jovens

Dados do IBGE mostram que o percentual de jovens que vivem no campo se manteve relativamente estável de 2001 a 2015

O meio rural tinha, em 2015, cerca de 7,1 milhões de pessoas entre 15 e 29 anos, o que correspondia a 14,7% da população total de jovens do país (Fotografia – Arquivo Next)

Um novo movimento é percebido no mercado de agronegócio e tem atenuado o desafio de manter o jovem na área rural em determinadas regiões do país. Da cidade para o campo, eles buscam oportunidades com a introdução das novas tecnologias no processo de produção da agricultura e da pecuária.

Seja nas fazendas ou nos escritórios da cidade, os jovens têm marcado presença em startups ou empresas que fazem o controle informatizado da qualidade de pasto, do solo, da alimentação dos animais, da aplicação de herbicidas na lavoura, entre outras atividades da produção agrícola e pecuária.

“Está havendo um movimento um pouco inverso e não necessariamente de jovens que têm parentesco com produtor. São jovens criados na cidade e que estão com vontade de ajudar o campo. E, muitas vezes, eles nem vão para o campo, mas ajudam empresas de software da cidade para ajudar a gestão no campo”, explica Rafael Gratão, pecuarista de 35 anos.

Segundo Rafael, que preside o Movimento Nacional dos Produtores (MNP) no Mato Grosso do Sul, o campo tem oferecido novas oportunidades de formação e trabalho para a nova geração de profissionais, fator que tem contribuído para atrair o jovem seja no campo ou em atividades relacionadas ao agronegócio a partir das cidades.

“A principal oportunidade é a tecnologia que está sendo introduzida. E o jovem, que mexe desde novo com smartphone, computador, jogos, tem mais facilidade. Ele só precisa se alinhar com a experiência do trabalhador rural”, comenta Rafael.

Essa modernização dos processos produtivos pode estar favorecendo a atração de pessoas mais jovens pela atividade agropecuária. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o percentual de jovens que vivem no campo se manteve relativamente estável de 2001 a 2015.

Segundo o Instituto, o meio rural tinha em 2015 cerca de 7,1 milhões de pessoas entre 15 e 29 anos, o que correspondia a 14,7% da população total de jovens do país. Nas cidades, os jovens de 15 a 29 anos somaram cerca de 41,2 milhões, em 2015.

Em 2001, o percentual de jovens domiciliados no campo era pouco mais de 15%. Em 2005, a taxa subiu para quase 17%. Nos anos seguintes, o percentual oscilou entre 16% a pouco menos de 15%.

Outro levantamento do IBGE constata que a maior parte dos residentes e trabalhadores do campo ainda são pessoas com mais idade. O censo agropecuário de 2017 revela que entre os mais de 15 milhões de produtores ocupados, apenas 5% têm menos de 30 anos. O levantamento também aponta que 73% do pessoal ocupado no campo tem relação de parentesco com o produtor.

Mas, a percepção é que a maior permanência dos jovens na área rural pode ser explicada pelo aumento da conectividade da internet e o desenvolvimento da chamada agricultura de precisão, que vem sendo implementada nas propriedades rurais do país a partir do uso de novas tecnologias, com a finalidade de aumentar a produtividade, reduzir os custos e tornar os processos mais sustentáveis.

“Está havendo uma mudança muito grande e os produtores que não estão enxergando isso vão sair do mercado. Hoje, a gente consegue medir tudo na fazenda a partir de um escritório. Com a internet, via satélite, a gente consegue comunicar 24 horas com o funcionário na propriedade. Coletando informações, processando com software e tendo resultado, você consegue parar aquela ação que não está tendo resposta e começar uma nova”, explica Rafael.

(Fotografia – Arquivo Next Editorial)
MOBILIZAÇÃO JOVEM

Integrante da quarta geração de uma família de pecuaristas, Rafael se dedica desde os 20 anos, quando ainda cursava a faculdade de Administração, à análise dos rendimentos da fazenda para encontrar uma forma de aumentar o valor investido em tecnologia e garantir maior produção. Foi nessa época que Rafael começou a formar um movimento de jovens. Atualmente, participa da promoção de encontros da juventude da agropecuária de Mato Grosso do Sul.

Só no ano passado, o movimento conseguiu mobilizar cerca de 2 mil em todo o estado. E muitas lideranças da juventude têm ganhado espaço em entidades do setor, além de aumentarem sua participação nas decisões das propriedades rurais.

“Existem jovens que saíram desse movimento nosso e hoje estão na diretoria de sindicatos. A gente tem conseguido também melhorar a gestão nas fazendas. Os jovens vêm, interagem com a gente e levam a experiência para a família, melhorando o resultado das suas atividades”, relata Rafael.

Foi assim que aconteceu com Roberta Maia, de 26 anos. Filha e neta de pecuaristas, a jovem fez graduação e mestrado em administração de empresas e, desde o período de estudos, se envolveu com o movimento jovem pela dinamização do setor.

“Eu não tinha interesse em atuar nos negócios da família, o agronegócio em si eu não queria. Mas, durante a faculdade eu fiz a disciplina “gestão de sistemas agroindustriais”, que me abriu a mente para o agronegócio. Até então eu entendia que para atuar no setor eu teria que ser veterinária, zootecnista, agrônoma”, conta.

No mestrado, Roberta se aproximou da Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul), para desenvolver um trabalho de empreendedorismo. Depois de algumas atividades, a então estudante foi convidada a criar um grupo de jovens dentro da federação.

Hoje, ela preside o grupo como voluntária e trabalha na empresa da família, uma indústria que produz alimentos para animais de grande porte. A sucessão do negócio agrário já não é mais um peso ou uma obrigação.

Roberta lembra que, no início, percebeu um certo “conflito de gerações”. Mas, aos poucos, o pai, veterinário, com mais de 40 anos no mercado, foi se adaptando às novas sugestões. “É importante ter a presença do pai na família. Quem estava lá, há 30 anos fazendo negócio, era ele. Eu tenho que estudar o máximo, a experiência ele tem”.

Hoje, a indústria tem software de gestão, marca registrada e departamento de marketing mais desenvolvidos. “Os clientes começaram a dar retorno positivo sobre as mudanças na forma de gestão e nos processos externos, além do relacionamento com eles”, comemora Roberta.

)
DESAFIOS
Um dos fatores de retenção de jovens no campo é o uso da tecnologia (Fotografia – Arquivo Next Editorial)

Segundo o IBGE, entre os jovens presentes no campo em 2015, 96% eram alfabetizados e cerca de 54% ocupados. Mas, apenas 4% têm mais de 11 anos de estudo. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), de 2015.

Este cenário do campo ainda muito preso a áreas técnicas e a laços familiares dificulta a qualificação do setor. Além de conciliar as tendências com a cultura tradicional ainda vigente no campo, os jovens relatam que o maior desafio é encontrar mão de obra qualificada para atender de forma ainda mais direcionada às novas necessidades do agronegócio em diferentes áreas de gestão.

Roberta acrescenta que o agronegócio precisa de profissionais de todos os setores, como advocacia, administração, publicidade, jornalismo e, não somente, agrônomos e médicos veterinários.

“O agronegócio precisa de profissionais da área das agrárias, mas outras também, só que muitos ainda não enxergam isso. Eu acredito que essa multidisciplinaridade seria propícia para o setor evoluir”, avalia Roberta.
“É preciso maior evolução no processo de ensino. Há uma grande distância entre o que é passado na faculdade e a necessidade no campo. A gente precisa aprimorar melhor essa ligação”, sugere Rafael.

Uma das principais estratégias do movimento da juventude agropecuário é mobilizar jovens de várias regiões do estado para trocar experiências e encontrar soluções para problemas do campo.

“O mais importante é que os jovens têm habilidade e facilidade com as novas tecnologias, que o campo necessita urgentemente para aumentar a eficiência. É a coleta de dados que gera informações e faz com que o produtor mude seu processo de produção. Então, o jovem precisa do serviço e o campo precisa da mão de obra. E a gente fazer esse meio de caminho para que as duas partes conversem e o agronegócio continue evoluindo”.

Repost: EsBrasil
Categorias
PAGRO - Pará Agronegócio

Jovens produtores se unem para aquecer o agronegócio Paraense

Aconteceu nesta última segunda-feira, dia 24/11/14, a primeira reunião oficial para implantação do grupo de amigos e produtores rurais do Pará, o PAGRO – PARÁ AGRONEGÓCIO. O intuito do grupo é fomentar o mercado do agronegócio no estado do Pará, criar novos eventos para apresentar seus produtos e atrair novos produtores.

Os amigos que sempre se reuniram para se divertir e falar sobre agronegócio, hoje se encontram para aquecer o mercado criar novos eventos, mostrar sua genética e apresentar seus produtos e serviços. Criadores com distintos segmentos e mas afins no agronegócio.

Muitos deles conheceram o agronegócio através dos pais de viveram o auge das exposições do Pará. Hoje com o sistema de exposições ultrapassado e obsoleto, o grupo busca a inovação e um novo formato para o setor.

Estiveram presentes produtores e criadores de várias raças e seguimentos. Entre eles:

– Fábio Rodrigues – Fazenda Mata Verde / Grupo ITAM

– Gilmar Tavares Oliveira – Agropecuária Real

– José Rafael – Fazenda Jutaí e Haras da Vovó

– José Luiz Almeida Filho – Fazenda Nova Aliança

– Leonardo Santos Cesar – LSC Agropecuária, Compra e venda de Gado e Equinos

– Lucas Martins Minssen – Gminssen Assessoria Rural

– Marcos Parry de Castro – Amaflor

– Mario Martins Jr – Baby Búfalo / Empório de Carnes / Fazenda Savana e Fazenda Murucy

– Marcelo Faro – Engenharia / Representante do Team Roping Pará

– Osmar Silveira – Fazenda Aporangaba

– Rodrigo Duque Estrada – RDE Consultoria / Amaflor

– Rodrigo Fraoli – Ruralbook, Comércio e Marketing Rural / Fazenda Marju

– Rodolfo Jorge – Agropecuária Flora Tauá

– Rodrigo Façanha – Haras Dom Rodrigo

– Sérgio Teixeira – Socil – Nutrição animal / Alta Genetics – Inseminação Artificial

– Thales Silveira – Rancho Talismã

pagro 2Entre as pautas da reunião discutiram a abertura de uma associação legalmente registrada e organização do primeiro evento já proposto e aprovado com o Sindicato Rural de Castanhal. Nestes eventos que vai rodar o estado, pretendem apresentar novas ideias, genéticas, leilões, palestras, cursos, shows, esportes equestres, máquinas, implementos, tecnologias, diversão para família e oportunidade para novos Produtores Rurais.

O grupo PAGRO se encontram mensalmente para discussão de novos eventos, ideias e negócios. O RURALBOOK parceiro do grupo desde o inicio, já criou uma coluna no Portal de Agro-noticias para informar o setor sobre a atuação do PAGRO e seus produtos.

O primeiro passo foi dado. Bom trabalho a todos.

pagro 1

Categorias
Oportunidades

Com mais oportunidades e melhor renda, jovens são atraídos para o campo

Espalhada pelo interior do país, a riqueza da produção de alimentos elevou índices sociais e econômicos e reduziu a distância entre o campo e a cidade. Com oportunidades de renda e qualidade de vida, a nova geração ligada ao meio rural vislumbra um futuro promissor também nas propriedades que fazem o Produto Interno Bruto (PIB) gaúcho inflar com reflexos de supersafras e crescente produção animal.

jovens– O jovem que decide apostar no meio rural enxerga a rentabilidade do negócio. E essa oportunidade lhe permite ter qualidade de vida – analisa Pedro Selbach, diretor da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Docente há 35 anos, Selbach acompanha a mudança de perfil dos jovens que buscam conhecimento acadêmico na área agrícola:

– Hoje, 50% dos estudantes vêm do Interior e 50% são de grandes centros urbanos. Há 30 anos, a maioria era do Interior e, majoritariamente, homens.

Por décadas, a falta de perspectivas no campo exportou milhares de jovens para a cidade – de onde dificilmente saíam. O resultado, ainda verificado, é o crescente êxodo rural. No entanto, o acesso a recursos básicos, como educação, saúde e tecnologia, fez a migração deixar de ser fundamental para se alcançar a independência financeira.

– A ideia de que campo é lugar de atraso é ultrapassada. O avanço da agricultura fortaleceu entre os jovens o orgulho de ser agro – diz Rosani Spanevello, professora do curso de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Seja pela forte ligação com a terra ou para suceder familiares, grande parte dos jovens agora manifesta o desejo de ficar no campo. Mas ainda que 69% dos adolescentes da agricultura familiar não queiram migrar para grandes cidades, conforme dados do pesquisador Nilson Weischeimer, na prática, a decisão passa por questões bem pontuais.

– Os jovens que ficam ou retornam querem autonomia e liberdade para tomar decisões. A abertura dos pais é fundamental para atenuar conflitos de gerações – aponta Vera Carvalho, assistente técnica da Emater.

Pais e filhos devem ter funções definidas

Dividir atividades e renda dentro da propriedade foi o modelo encontrado pela família Signori para Alessandro, 25 anos, retornar a São Pedro das Missões, no Noroeste, após formar-se em Zootecnia. Enquanto o pai, José Signori, 57 anos, administra cem hectares de lavoura, o jovem responde pela produção leiteira.

– Recebi propostas de emprego em indústrias e comércio quando me formei. Mas meus pais estavam sozinhos, trabalhando muito. Optei por aplicar meus conhecimento junto deles – conta o jovem, que pretende expandir a produção com melhoria na qualidade dos animais.

O fortalecimento das agroindústrias também tem ajudado a seduzir jovens do campo, diz Douglas Cenci, coordenador da Juventude Estadual da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf-Sul).

Curso concluído, é hora de voltar

Formado em Agronomia, Genor Brum Filho, 28 anos, assumiu a propriedade da família, em São Luiz Gonzaga, nas Missões, aos 22 anos. A sucessão foi antecipada pela morte do pai, há quatro anos. Com a orientação do irmão, Francisco Eugênio Brum, 56 anos, o agrônomo diversificou a produção nos 1,8 mil hectares da Fazenda Coqueiro.

Antes centrada na pecuária, a propriedade tem hoje 600 hectares cultivados com soja, milho, trigo e aveia. Neste ano, o jovem investiu em irrigação em 90 hectares da lavoura, com previsão de ampliar os pivôs centrais para outros 210 hectares:

– A responsabilidade de administrar sozinho é grande. Mas não teria porque não levar isso adiante.

Outra alternativa em crescimento é conciliar o agronegócio com uma carreira profissional paralela. Com o crescimento das cidades médias do Interior, estudantes recém-formados conseguem ajudar na gestão de lavouras da família e seguir com outra atividade no núcleo urbano mais próximo. Foi esse o caminho feito por João José Dornelles, 26 anos, formou-se em Direito em 2012. Depois de sete anos na Capital, retornou para São Borja, na Fronteira Oeste, para ajudar o pai Ory Dornelles, 50 anos, no cultivo de arroz e na pecuária. Agora, planeja abrir um escritório de advocacia na cidade e, ao mesmo tempo, atuar na gestão da propriedade:

– Sempre tive a ideia de voltar, gosto muito da vida no Interior.

Grupos distintos na Faculdade de Agronomia

Formadas por pelo menos três grupos distintos, as turmas da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) revelam traços e comportamentos característicos de suas origens, assim como dos interesses que os levaram ao estudo da produção agrícola.

Os chamados gaúchos da fronteira, ou também ginetes universitários, frequentam as aulas de boina, mate e até mesmo bombacha. Os colonos, descendentes de imigrantes italianos e alemães, carregam seus sotaques e costumam se unir em grupos. Os agroecológicos, normalmente vindos de centros urbanos, deixam transparecer em hábitos sustentáveis a valorização da produção orgânica de alimentos.

Fonte: Portal do Agronegócio