Categorias
Agronegócio

Pará tem aumento de empregos no Agronegócio

Setor apresentou saldo positivo na geração de trabalhos formais em um ano, segundo o Dieese. Números mostram importância para o desenvolvimento local.
Portal Agro

O novo estudo divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta que o Pará apresentou saldo positivo na geração de empregos no setor agropecuário. Esse resultado foi observado durante os quatro primeiros meses deste ano e também nos últimos 12 meses.

No comparativo entre admitidos e desligados durante os quatro primeiros meses de 2021, o setor registrou 5.693 admissões, contra 4.634 desligamentos, gerando um saldo positivo de 1.059 postos de trabalhos. No mesmo período do ano passado (Jan-Abr/2020), o setor também apresentou resultado positivo de empregos formais, só que bem menor do verificado este ano. Foram feitas, naquela oportunidade, em todo o Pará, 3.167 contratações, contra 3.146 demissões, resultando 21 novos postos de trabalho.

Segundo a análise do Departamento Intersindical de Estatísticas, esse resultado fez com que o Pará ganhasse destaque como o estado que mais gerou postos de trabalhos formais, nesse segmento, na região Norte, seguido do estado do Tocantins, com saldo positivo de 431 postos de trabalhos e do Estado de Rondônia, com saldo positivo de 122 postos de trabalhos.

“Os dados demonstram não só a liderança do nosso Estado na geração de vagas de emprego nesse segmento, como também apontam que o setor tem um espaço enorme de crescimento, haja vista que cadeias produtivas estão sendo fortalecidas, como a produção de soja, o milho, o açaí. O agronegócio, ele cresce a cada ano, na medida que melhoram também a nossa estrutura, infraestrutura, logística. O escoamento dessa produção também tem sido facilitado e o Pará vem sendo destaque nós últimos anos pela estrutura que oferece como atrativo de investimentos para outros segmentos”, analisa Everson Costa, economista e técnico do Dieese. O estudo demonstra, ainda, que, no Pará, a agropecuária é um dos setores que apresentou uma trajetória positiva nos últimos 12 meses (Mai/2020-Abr/2021). Nesse período foram feitas, em todo o estado, 15.638 admissões, contra 12.695 desligamentos gerando saldo positivo de 2.943 postos, o melhor resultado de toda a região.

Segundo o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), Alfredo Verdelho, as ações postas em práticas pelo governo estadual têm sido fundamentais para o crescimento na taxa de emprego dentro desse segmento, bem como no aumento da qualificação de trabalhadores. “Há um investimento maior nas ações da agricultura familiar e o implemento no escoamento da produção. O aumento da produtividade faz com que haja necessidade, por exemplo, de aquisição de novas máquinas e de mão-de-obra qualificada para o manuseio. O estado tem tomado diversas iniciativas, através da Sedap e Emater, e em parceria com o Sistema Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) tem fortalecido e incentivado a qualificação de profissionais que estão entrando no mercado agropecuário,” destacou Verdelho.

Fonte: Revista AgroPará

Categorias
Pecuária

SENAR-SP dá 4 dicas para você fazer ordenha corretamente

Conhecer boas práticas na ordenha garante o bem-estar animal e ajuda manter boa qualidade do leite.

SENAR-SP dá 4 dicas para você fazer ordenha corretamente
Na pecuária leiteira, é essencial que as vacas estejam em boas condições de saúde para que você obtenha um leite saudável e de boa qualidade. Para isso, o ordenhador deve prestar atenção sobre os sinais apresentados pelas vacas, como olhos fundos, pelos arrepiados, diminuição na ingestão de alimentos, parada da ruminação, queda na produção de leite e alterações na urina ou nas fezes, que podem ser indicativos de problemas de saúde.

Antes de tudo, é necessário lembrar que existem dois tipos de ordenha: manual e mecanizada. A técnica manual é antiga e ainda muito comum, especialmente em rebanhos pequenos, pois o investimento em equipamentos é baixo, mas demanda mais esforço do ordenhador. Já a mecanizada faz a retirada de leite mais rápido e com menor risco de contaminação, quando bem realizada. Ela deve acontecer na sala de ordenha e exige maior investimento.

Através do Programa Pró-Leite, o SENAR-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de São Paulo) vem capacitando os produtores rurais paulistas com boas práticas na extração e exploração dos derivados do leite.

Abaixo, listamos algumas dicas para você fazer ordenha corretamente:

Rotina da ordenha

As vacas leiteiras são conhecidas como animais de rotina. Por isso, elas se sentem mais confortáveis com a definição de horários para alimentação, descanso e ordenha. Sendo assim, é indicado que tanto a alimentação quanto a ordenha seja realizada pela mesma pessoa sempre nos mesmos horários.

Preparo do ordenhador

Cabe ao ordenhador garantir que a extração seja bem conduzida. Para tanto, entre suas responsabilidades, estão o cumprimento dos horários de ordenha, preparação das instalações, acompanhamento da saúde das vacas, realização da ordenha e acompanhamento da qualidade do leite.

Você deve conhecer os procedimentos para a manutenção adequada das instalações e dos equipamentos, além de ter meios para garantir boas condições de saúde para si mesmo e para os animais.

Entre as competências pessoais, o ordenhador deve ter paciência, habilidade e sensibilidade no manejo das vacas. Deve ainda estar fisicamente apto para o desenvolvimento do trabalho.

Instalações necessárias

O local da ordenha idealmente precisa ser projetado de maneira que as vacas fiquem bem acomodadas e tranquilas, com segurança para o ordenhador.

Em propriedades com animais de raças que sofrem maior estresse pelo calor, é altamente recomendada a instalação de sistemas de resfriamento (ventiladores e nebulizadores) nas salas de espera e de ordenha.

Linha de ordenha

As vacas devem ser ordenhas em ordem, a chamada de linha de ordenha. Esta é geralmente definida com base no diagnóstico de mastite (inflamação da mama comum durante a amamentação), acontecendo nesta sequência:

  • Vacas primíparas (de primeira cria), sem mastite
  • Vacas pluríparas que nunca tiveram mastite
  • Vacas que já tiveram mastite, mas que foram curadas
  • Vacas com mastite subclínica
  • Vacas com mastite clínica

Este sistema é pensado para evitar a transmissão da mastite contagiosa no momento da ordenha. Além disso, é importante respeitar a individualidade das vacas, não misturando na mesma bateria animais que não são companheiros.

Por: Nação agro.

Categorias
Agronotícias

7 dicas para você ter sucesso na inoculação

Técnica emprega na agricultura microrganismos como bactérias e fungos com ação benéfica para as plantas.

7 dicas para você ter sucesso na inoculação

Técnica que emprega na agricultura microrganismos como bactérias e fungos com ação benéfica para as plantas, a inoculação tem como objetivo suprir as necessidades de nitrogênio das culturas, um dos macronutrientes fundamentais para seu desenvolvimento.

Recentemente, o SENAR-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Estado de São Paulo) anunciou um curso que irá ensinar produtores rurais a fazer a nutrição biológica do solo. Caso você tenha interesse, procure o sindicato rural mais próximo de seu município para saber sobre a disponibilidade de turmas.

Porém, para quem já conhece a técnica, aqui vão 7 dicas para ter sucesso na inoculação:

Escolha do produto

É importante observar se o produto escolhido possui registro no Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Notar a data de vencimento no rótulo também é um cuidado necessário.

Manuseio e armazenamento

Os microrganismos com que se faz a inoculação são seres vivos e não podem ficar expostos ao sol ou a temperaturas muito altas (superiores a 30°). Por isso, verifique junto ao fornecedor quais são as melhores condições de transporte e armazenamento do produto.

Aplicação de inoculantes

Como dissemos no post anterior (clique aqui para ler), as condições climáticas são um ponto essencial para a inoculação. É preciso realizar sempre à sombra e manter a semente pós-inoculação longe do sol e do calor.

Doses aplicadas

O fabricante deve te dar todas as instruções necessárias para realizar o cálculo da dose. Mas, é importante aplicar 1,2 milhão de células por semente, no mínimo. Além disso, a dose pode variar conforme o produto: líquido ou turfoso.

No tipo líquido, a dose não deve ser menor que 100 ml de inoculante a cada 50 kg de sementes. No turfoso, é indicado usar cerca de 300 ml a cada 50 kg sementes de solução açucarada a 10% (100g de açúcar para cada litro de água).

Combinação produtos

Para quem deseja aplicar outro produto químico junto da inoculação no tratamento de sementes, é importante não fazer isso ao mesmo momento. Assim, é ideal colocar a química, esperar secar e só depois inserir o inoculante.

Caixa semeadora

Segundo pesquisadores da Embrapa, o uso de inoculante direto na caixa semeadora deve ser evitado. Essa prática dificulta a aderência das bactérias à semente e prejudica a eficiência do processo.

Momento da semeadura

Depois da inoculação, é altamente recomendado que a semeadura aconteça no mesmo dia. Caso não seja possível, os melhores resultados acontecem quando a semeadura ocorre em até 24h após a inoculação.

Por: Nação agro

Categorias
Pastagem

Saiba como fazer a implantação correta das pastagens, visando melhores resultados na fazenda

Instrutora do Senar Mato Grosso explica os principais passos para garantir que a área de pasto ofereça condições ideais para suportar maior número de animais por hectare.

 

O investimento na melhora das áreas de pasto é um dos caminhos apontados para quem quem busca aumentar a eficiência da propriedade. Mas você sabe quais são os primeiros passos na hora de implantar as forrageiras? Segundo a zootecnista Mariane Ferro, que é instrutora credenciada junto ao Senar Mato Grosso, tudo começa pela análise do solo. É fundamental conhecer a composição do terreno, para que suas deficiências possam ser corrigidas a fim de que a o desenvolvimento das gramíneas que forem cultivadas possa atender às expectativas.

Implantacão

Para esta correção, entra em cena o calcário. A instrutora explica que a dosagem e o tipo do calcário (dolomítico, calcítico ou magnesiano) será definida conforme o diagnóstico obtido na análise do solo. A adubação vem na sequência, também obedecendo os níveis de nutrientes baseados na análise do solo. Mariane destaca que nesta hora o foco deve estar no fornecimento de fósforo, já que o elemento terá papel importante no desenvolvimento do das forrageiras. Os demais nutrientes, como o ferro – por exemplo – também merecem atenção. Mas, em caso de haver necessidade de priorizar o investimento, o ferro deve ser o escolhido, segundo Mariane.

Por: Canal Rural

Categorias
Sustentabilidade

Sustentabilidade na visão da ATeG é tema de transmissão ao vivo do Senar

Alexandre Gessi, destacou que o conceito de sustentabilidade da metodologia é baseado em projetos socialmente justos

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) promoveu uma transmissão ao vivo pelas redes sociais sobre a sustentabilidade na visão da Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), na quarta (24). O coordenador de projetos da ATeG do Senar, Alexandre Gessi, destacou que o conceito de sustentabilidade da metodologia é baseado em projetos socialmente justos, ecologicamente corretos, economicamente viáveis e culturalmente diversos.

“Sustentabilidade é o equilíbrio dessas ações. Você tem que olhar tudo que é ambientalmente correto, a cultura do produtor e o que faz bem para as pessoas, mas isso tem que dar dinheiro. Sem renda, o produtor limita a sua capacidade de desenvolvimento e não consegue executar”, afirmou ele.

Alexandre Gessi também explicou as cinco etapas da ATeG desenvolvida pela entidade: diagnóstico produtivo individualizado das propriedades, planejamento anual estratégico, adequação tecnológica, capacitação profissional complementar e avaliação sistemática de resultados.

“A ATeG é um processo educativo. Ela não é uma assistência pontual, que chega na propriedade, faz uma recomendação e vai embora. É um processo onde o produtor vai se empoderando desse conhecimento e fazendo disso um hábito natural nas suas atividades”, disse ele.

Oportunidades sustentáveis, análise ambiental produtiva, adequação tecnológica e recuperação ambiental produtiva foram outros temas analisados no encontro.

O coordenador de projetos da ATeG reforçou que o Senar continua oferecendo o serviço durante a pandemia por meio de atendimento virtual. Atualmente, a ATeG atua em 19 cadeias produtivas e atende mais de 40 mil propriedades no País.

Fonte: CNA – CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL

Categorias
Agronotícias

Sistema CNA/Senar disponibiliza whatsapp para produtores

Pelo número (61) 93300-7278, produtores poderão falar sobre possíveis problemas de saúde ou na atividade agropecuária

Diante da pandemia do novo coronavírus, o Sistema CNA/Senar disponibilizou um número de Whatsapp (61-933007278) para que os produtores rurais entrem em contato e relatem problemas de saúde ou que possam estar afetando a produção agropecuária.

“Nosso objetivo é receber informações sobre o estado de saúde do produtor e se ele está enfrentando alguma dificuldade com relação à produção, distribuição e comercialização do seu produto. Assim, vamos poder orientá-lo e tomar as medidas necessárias junto às instâncias federais”, disse o diretor-geral do Senar, Daniel Carrara.

Ao fazer o primeiro contato pelo número (61) 93300-7278, o produtor deverá seguir um passo a passo.

A mensagem enviada será respondida pelos técnicos do Sistema CNA/Senar.

 

Reposts: Agrlink

 

Categorias
Eventos do Agronegócio

FAEPA divulga calendário de Feiras e Exposições Agropecuárias – 2020

A Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (FAEPA), juntamente com O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e Sindicatos, anunciaram nesta última quarta-feira (11) o novo calendário repleto de eventos agropecuários que serão distribuídos por todo o estado do Pará.

O registro dos eventos possibilita as exposições de atividades agropecuárias de cada região, mostra toda a produção do ano e a diversidade cultural, possibilita a negociação dos produtores com os fornecedores. Auxilia também na apresentação de novas tecnologias, práticas de manejo, produtos e serviços para os produtores rurais. O que beneficia o aumento da produtividade na região paraense.

Calendário de eventos agropecuários – FAEPA/SENAR/Sindicatos  

 

 

Categorias
Agronotícias

Senar e Sebrae discutem renovação do Negócio Certo Rural

Iniciativa é uma parceria das duas entidades para transferir aos produtores e suas famílias

O diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara, reuniu-se com o diretor técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Vinicius Lages, para discutir a renovação do Programa Negócio Certo Rural (NCR) e para apresentar outras iniciativas da instituição que têm sinergia com ações desenvolvidas pelo Sebrae.

O diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara, reuniu-se com o diretor técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Vinicius Lages, para discutir a renovação do Programa Negócio Certo Rural (NCR) e para apresentar outras iniciativas da instituição que têm sinergia com ações desenvolvidas pelo Sebrae.

A iniciativa é uma parceria das duas entidades para transferir aos produtores e suas famílias, por meio de ferramentas simples de gestão, conhecimentos sobre administração de uma propriedade rural.

Durante a reunião de terça (12) também foram apresentados programas nacionais, ações de capacitação profissional, cursos de educação a distância, Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), a estrutura do Programa de Produtos Artesanais e Tradicionais, resultados do Projeto Biomas e a Rede de Inovação desenvolvida pelo Senar. A ideia é que os programas dessas áreas possam ser ampliados com a cooperação do Sebrae.

O encontro contou com a participação da diretora de Educação Profissional e Promoção Social do Senar (DEPPS), Andréa Barbosa, do diretor de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), Matheus Ferreira Pinto da Silva, e do diretor de Inovação e Conhecimento do Senar (DIC), Luís Tadeu Prudente Santos, além da superintendente técnica adjunta da CNA, Natália Fernandes, e da coordenadora executiva do Projeto Biomas na CNA, Cláudia Rabello.

Da equipe do Sebrae, também estiveram presentes o analista da Unidade de Competitividade, Gustavo Reis Melo e o e o analista da Diretoria Técnica Juarez de Paula.

NCR – O Negócio Certo Rural é desenvolvido em 46 horas, sendo 40 horas de teoria e seis horas de consultoria. Mais de 18 mil produtores rurais, em 916 turmas, já participaram do curso desde 2009.

A elaboração de um plano de negócio e análise de viabilidade auxiliam os participantes na melhoria de negócios já existentes ou na implementação de novos negócios na propriedade.

“Ainda este mês serão definidas ações de continuidade, fortalecendo assim uma parceria que já tem excelentes resultados e pode agregar muito valor ao produtor rural brasileiro. O NCR é muito estratégico para o Senar uma vez que promove a gestão e o empreendedorismo nas propriedades rurais”, disse a diretora do DEPPS, Andréa Barbosa Alves.

Categorias
FAEMA / SENAR-MA

FPR-Formação Profissional Rural • Notícias

O curso tem duração de dois anos, na modalidade semi presencial

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) está com inscrições abertas para o processo seletivo do curso Técnico em Agronegócio, na modalidade semi presencial, com a oferta de 2.410 vagas em 70 polos de apoio presencial distribuídos em 21 estados e no Distrito Federal.

No ato da inscrição, o candidato deverá anexar o histórico escolar e indicar o polo de ensino para participar das aulas presenciais.

O curso Técnico em Agronegócio tem carga horária de 1.230 horas e está dividido da seguinte forma: 80% é feito a distância e 20% com aulas presenciais, no polo indicado pelo candidato aprovado.

Ao longo do curso, o participante estudará técnicas de gestão, de comercialização e aprenderá como atuar na execução de procedimentos para planejar e auxiliar na organização e controle das atividades de gestão do negócio rural.

Antes de efetivar a inscrição, os candidatos devem ler o edital atentamente, pois o sistema aceita somente uma inscrição por CPF e não permite edição após o envio dos dados. As inscrições vão até o dia 14 de fevereiro pelo site senar.org.br/etec

Para mais informações entre em contato via 0800 642 0999.

SERVIÇO

O que: Processo seletivo curso Técnico em Agronegócio
Data: De 23/01 a 14/2
Link para acessar o edital e efetivar a inscrição: http://etec.senar.org.br/
Link para Critérios de Classificação Rede e-TEC MaranhãoClique AQUI 
Informações e dúvidas: 0800 642 0999 – De segunda a sábado, das 8h às 21h (horário de Brasília)

Repost: Senar/ma

Parceria: Ruralbook x Senar MA

 

Categorias
Fatos e Acontecimentos

Sistema CNA/SENAR/ICNA e Grupo Bandeirantes lançam projeto “Agro forte. Brasil forte”

O Sistema CNA/SENAR/ICNA e o Grupo Bandeirantes lançaram na quarta (28) o projeto “Agro forte. Brasil forte”, uma parceria para levar informação, conhecimento, assistência técnica e gerencial, qualificação profissional e educação aos produtores rurais de todo o país, além de divulgar as ações do setor agropecuário para toda a sociedade brasileira.

A cerimônia ocorreu na sede da CNA, em Brasília, com a presença de presidentes e representantes de Federações, dirigentes de entidades do setor, parlamentares e autoridades.

Com esta parceria, a ideia é aprimorar ainda mais o diálogo com o campo, a partir da produção e veiculação de conteúdo sobre os principais projetos da Confederação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e do Instituto CNA nas emissoras do grupo.

O Sistema CNA/SENAR/ICNA busca, também, aumentar os canais de comunicação com a sociedade brasileira, mostrando as contribuições do produtor rural para a economia nacional e para a preservação do meio ambiente, ampliando os canais de comunicação entre campo e cidade.

No início de seu discurso, o presidente da CNA, João Martins, afirmou que a parceria não é uma iniciativa “isolada e pontual”, mas uma nova estratégia de ação que visa, por meio de um grande esforço de comunicação, “articular o mundo da produção agropecuária com seus milhares de produtores, conectando-o com o conjunto da sociedade brasileira”.

Ao dizer que o agro completou a ocupação humana do território brasileiro, transformando em riqueza os imensos vazios que marcavam nossa geografia, Martins destacou que os “produtores rurais brasileiros produzem em um nível tecnológico que se situa no estado da arte e competindo, com vantagem, com os melhores produtores do mundo”.

“Nossa produção, em todas as latitudes, é cada vez mais sustentável, ocupando parcela ínfima do território e, mesmo assim, explorando-o com cuidado”, afirmou.

Para Martins, “no universo confuso e desorientador das guerras culturais que incendeiam as redes sociais, o mundo rural é frequentemente visto com preconceito. E os efeitos destes preconceitos custam muito caro a todos nós”. “O mundo rural não pode continuar passivo diante destes conflitos ideológicos” e, por isso, foi concluída a parceria com o Grupo Bandeirantes, “defensor permanente de nossos valores e de nossas realidades”.

Nos espaços da TV e no rádio, “vamos mostrar aos brasileiros nossas virtuosas realidades, transmitindo uma imagem sem retoques, mas também sem distorções”. O objetivo é usar o Canal Terra Viva para “comunicar melhor e mais sistematicamente com os nossos produtores, em todo o país, divulgando o trabalho de qualificação profissional executado pelo Senar e as ações e projetos do nosso sistema CNA”.

Por fim, o presidente da CNA disse que será possível extrair do acordo de cooperação muitos benefícios para o mundo rural e para o país. “Vamos mostrar a todos que agro forte é Brasil forte”.

O presidente do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad, ressaltou que João Martins, com seu jeito simples e sincero, conseguiu unir o setor, e “é fundamental que o setor esteja unido”.

Sobre a parceria, ele citou exemplos do que deve ser mostrado do trabalho do setor agropecuário, como a preservação do meio ambiente no Brasil pelo produtor rural. “Ao contrário de outros países, nós preservamos áreas produtivas. Isso foi mostrado e é preciso mostrar muito mais”, afirmou Saad.

Saad mencionou, ainda, as tecnologias de produção que garantem mais de uma safra por ano ao país. “Quanto mais divulgarmos coisas positivas sobre o campo, melhor. Nossa batalha é boa porque não estamos mentindo. O que temos de mostrar é a verdade”.

Neste contexto, o presidente do Grupo Bandeirantes defendeu o fortalecimento ainda maior das entidades do setor agropecuário na defesa dos interesses do produtor para repercutir as ações do agro nas emissoras do grupo. “Continuaremos sempre ao lado de quem planta e cria”.

Para o diretor-geral do Senar, Daniel Carrara, a iniciativa vai ajudar a fortalecer a comunicação do setor agropecuário com a população em geral. Essa parceria, completou, representa a oportunidade de falar mais sobre o agro, tanto para o produtor quanto para a sociedade como um todo.

“A ideia é levar ao produtor rural não só informações mercadológicas, econômicas, mas também tecnológicas junto com o Senar, além de trabalhar bastante a transferência de tecnologia e investir bastante em educação à distância. Nossa expectativa é que nós consigamos atingir mais ainda o interior do nosso país com informações de qualidade que vão ajudar o produtor a ter renda”, disse Carrara.

Parceria – O projeto “Agro forte. Brasil forte” terá uma programação diária de conteúdo e informações do Sistema CNA/SENAR/ICNA. No Canal Terra Viva, haverá uma revista eletrônica de 30 minutos aos domingos, reprisada nas segundas e quartas com reportagens especiais. A data de estreia do primeiro programa será no dia 4 de março, às 9h30.

Também será veiculado um programa de 15 minutos sobre educação aos sábados, com reapresentações as segundas e quintas, com a exibição do primeiro programa no dia 10 de março, às 8h45, além de inserções diárias de conteúdo de segunda a sexta, que começam na próxima segunda (5).

Na Band News TV, haverá uma inserção diária de segunda a sexta, enquanto na Band News FM o material será divulgado em três boletins diários nas segundas, quartas e sextas. Nas duas emissoras, o início da divulgação do conteúdo será também na segunda (5).

Clique aqui e veja as fotos do evento

Fonte: Assessoria de Comunicação CNA